O charme da palavra

A última semana foi de troca de conhecimento e muito aprendizado para a área de comunicação e design da Unochapecó!

A Vértice: Semana Acadêmica Integrada reuniu os cursos de Design, Design de Moda, Jornalismo, Produção Audiovisual, Publicidade e Propaganda, e recebeu de braços abertos os curiosos de plantão.

Nomes como Thedy Corrêa e Flávio Waiteman fizeram parte das mais de 30 atividades entre palestras, workshops e oficinas disponíveis, atraindo universitários e profissionais do mercado. A atmosfera de inovação e criatividade chamou atenção e movimentou os corredores da Universidade.

Porém, foi uma das palestras de finalização da Semana que chamou atenção: ‘Criatividade, influenciadores e marcas’, ministrada pelo publicitário Danilo Dabague, mais conhecido no YouTube como Lorelay Fox.

Mesclando suas experiências pessoais com muito humor, a palestrante discorreu sobre a atualização do mercado e como a internet é a favorita da vez através de uma ideia muito básica: uma ferramenta que está à disposição e dá voz aos que tiverem coragem de utilizá-la; muito diferente das mídias tradicionais, onde a voz é de poucos.

A possibilidade de dar voz às minorias – que todos sabemos que não são minorias – assusta as grandes mídias e as marcas; se um dia alguém não gostou de um serviço ela falou para outras pessoas e, aos poucos, esta voz morreu. Já o poder comunicativo da internet funciona como um grande eco, onde experiências são transmitidas, somadas, reproduzida e multiplicadas.

Quando questionada sobre o sucesso de vídeos “sem conteúdo” no YouTube e como são mais procurados pelas marcas, Lorelay foi categórica: “Não devemos julgar tanto o material de outras pessoas, cada um vê o mundo de uma forma e não se pode questionar uma criança de 12 anos por não querer assistir canais de política e filosofia”. Isso parte do amadurecimento de cada um e é uma fase da vida.

Quanto ao patrocínio de marcas: uma marca que deseja vender refrigerante vai procurar um youtuber com grande alcance e seguidores no meio; uma marca que deseja posicionamento no mundo LGBT vai procurar ela, mesmo que seu canal não tenha muitos inscritos (mais de 300 mil), pois é relevante dentro do seu meio, o meio que a marca deseja alcançar. Essa é a diferença entre quantidade e qualidade, fundamental na época em que padrões de consumo mudam, a partir do público exigente e informado que compra mais – muito mais – do que produtos.

Tolerância, gentileza e empatia: estas foram as mensagens por trás das palavras da youtuber sobre sua forma de lidar com haters e questões como homofobia, tanto em seu dia a dia quanto em seu canal, desconstruindo críticas através de uma metodologia simples: dando o exemplo. Ela lembrou que “textão” e discussões não vão mudar o pensamento de outras pessoas; essas mudanças devem despertar do íntimo de cada um, lembrando que o ser humano repete o que vê e reage ao que assimila.

Ser influenciador, especialmente na internet, não é privilégio de ninguém. Não gostou de um conteúdo? Crie um que expresse seus sentimentos e ideias. Afinal, “todos são influenciadores – a sua mãe é influente no grupo da família postando fotos de flor no Facebook”.

A forma simples de abordar assuntos sérios fez com que Lorelay derretesse os fãs na plateia, cativando os que ainda não a conheciam. Foi ao final da palestra que Lorelay demonstrou, na prática, o poder que os tais digital influencers têm: um auditório lotado até o último minuto de uma sexta-feira à noite, cheio de dúvidas e inspirado a fazer mais, fazer melhor.

“Todos são influenciadores, a sua mãe é influente no grupo da família postando fotos de flor no Facebook”.

Imagem retirada do post: LORELAY FOX E DANIEL BRAMATTI PALESTRAM NO ÚLTIMO DIA DA VÉRTICE